A cura tão almejada para os vícios

News3

No mundo todo, cerca de 30 milhões de pessoas são dependentes químicas, segundo dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). Entre os entorpecentes mais consumidos estão a cocaína e a maconha, inclusive no Brasil, onde milhares de jovens têm acesso às drogas desde muito cedo.

As bebidas alcoólicas também lideram os rankings de consumo em diversos países. No Brasil, o consumo de álcool per capita aumentou 43,5% em dez anos e já supera a média internacional, segundo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado recentemente.

Os dados apontados acima dão a dimensão de um problema social que atinge toda a sociedade, independentemente de classe social, idade ou sexo. Diante desse triste cenário, encontramos histórias de famílias inteiras sendo despedaçadas e sofrendo com o vício de um parente.

Como foi a história de Felipe, que chegou à Universal com a vida esfacelada. Viciado em cocaína, maconha, cerveja e outras drogas, ele estava endividado e não tinha condições nem de se internar em uma clínica. Doente e enfrentando grandes adversidades na vida pessoal e profissional, Felipe buscou ajuda no Tratamento para a Cura dos Vícios.

Acompanhe o testemunho de Felipe e saiba o que aconteceu na vida dele:

A fé o salvou

Cansado de todo o sofrimento que as drogas causavam em sua vida, Felipe decidiu sair dos vícios e determinou uma mudança em sua vida. Hoje, Felipe tem sua vida familiar e profissional restaurada.

Milhares de viciados e seus familiares que já buscaram ajuda em diversos locais procuram pelo Tratamento para a Cura dos Vícios no Brasil e em vários países do mundo. O Tratamento surte resultado na vida daqueles que acreditam e querem se libertar desse mal.

Se você não aceita mais o sofrimento de um familiar ou amigo, ou ainda deseja se libertar dos vícios, as palestras acontecem todos os domingos, na Avenida João Dias, 1800, Santo Amaro, zona sul da capital paulista, às 15h. Ou procure uma Universal mais próxima de você, clicando aqui, e se informe sobre outros locais do tratamento.

Por Michele Roza / Foto: Thinkstock

Compartilhe:

Deixe seu comentário